quinta-feira, 30 de junho de 2016

DINASTIA: CAPÍTULO XVIII - VOLTANDO AS ORIGENS



Pepino ficou sentado no local aterrorizado com o carro em chamas enquanto as pessoas que acompanhavam a corrida chegaram ao local assustadas. Perceberam o carro pegando fogo e viram o tamanho da tragédia.

Bianca ao ver o carro do namorado em chamas começou a gritar por seu nome e tentou se aproximar do veículo. Amigos impediram e Bianca viu Pepino sentado. Começou a gritar “assassino”.

Felipe e Josué se aproximaram do amigo e lhe puxaram do chão para irem embora antes que a situação piorasse. Mas ela piorou com a chegada da polícia.

Os bombeiros e o carro do IML chegaram logo depois e todos os envolvidos no “pega” foram levados para a delegacia.

Pela gravidade do caso Pepe Granata pessoalmente foi com advogado até a delegacia ver o que ocorria. Conversou com o delegado e viu Pepino sentado no lado de fora com cabeça baixa. Aproximou-se do filho.

Pepe sem nenhum gesto de carinho mesmo vendo o sofrimento de Pepino apenas disse “dessa vez você se superou”. Pepino sem olhar o pai jurou que não tinha culpa e Pepe respondeu que da morte mesmo não, pelo menos juridicamente, mas na consciência sim.

Pepino chorando contou que não queria que Rubens morresse. Pepe comentou que conversara com o delegado e ele estava liberado, poderiam ir embora.

Foram embora, mas o problema não. Pepino foi hostilizado no enterro de Rubens e também era nas ruas a ponto de levar cuspida na cara de uma senhora. Cecília preocupada com a situação do filho pedia para que o marido fizesse algo, mas Pepe respondia que não podia fazer nada contra o povo.

A situação de Pepino estava insustentável quando Pepe arranjou uma solução e chamou o filho para conversar no escritório.

Pepino sentou-se e Pepe comentou que não tinha mais como o filho permanecer em Feital. Ligou para o irmão Oscar e ele passaria um tempo com o tio. Pepino ainda indagou “O comunista? Eu não quero morar na União Soviética!!”.

Pepe respondeu que ele não estava mais no país, estava na Itália e seria a única solução, ele passaria um tempo por lá e voltaria quando a situação acalmasse. Cecília entrou no escritório e concordou com Pepe que era a melhor decisão.

Pepino resignado perguntou quando iria e o pai respondeu “amanhã”. O rapaz tentou alegar que era muito em cima, mas Pepe completou que quanto mais cedo ele fosse melhor.

Dessa forma Pepino subiu e arrumou as malas para partir. Enquanto arrumava suas coisas bateram na porta. Era Mariana.

Mariana sorriu e maliciosamente perguntou “Pensou que não viesse me despedir?”. Pepino sorriu de volta e respondeu que já esperava a “titia”. Mariana entrou, fechou a porta e os dois fizeram amor.

Mariana era amante de Pepino já havia algum tempo. A menina
que foi socorrida por Pepe e Oscar na revolução de 1932 se transformara numa linda e fogosa mulher sendo a primeira da vida de Pepino. Ela fez com o rapaz o mesmo que Constância fez com Pepe.

Deitados na cama Mariana perguntou como Pepino se sentia. O rapaz respondeu que estava mal por Rubens, mas principalmente por Bianca lhe odiar.

Mariana riu e disse que a menina não lhe odiava. Pepino perguntou como ela sabia e a moça respondeu “conheço as mulheres”. Completou dizendo “não desista”.

No dia seguinte na hora de partir passou pela casa de Bianca. Bateu na porta da moça que abriu e ao ver quem era tentou fechar a mesma com Pepino impedindo com o pé. O rapaz comentou que estava indo embora, mas voltaria pra casar com ela. Roubou-lhe um beijo e partiu.

No aeroporto despediu-se do pai, da mãe e se despediu prometendo voltar um novo homem. Do avião olhava a janela e procurava nas nuvens sua paz, a paz que nunca encontrara na vida.

Chegou à Itália com as malas procurando a família e logo encontrou Oscar acompanhado da esposa e do filho. Oscar deu um abraço em Pepino e comentou que o rapaz era a cara do pai. Pepino envergonhado respondeu que esperava que isso fosse bom e Oscar deu um abraço no sobrinho conduzindo o rapaz ao carro.

No caminho Pepino via Nápoles, uma cidade diferente da que o avô Salvatore deixara mais de meio século antes. Oscar falava das
belezas do local e como a cidade lhe faria bem enquanto Pepino tentava se imaginar no lugar de Salvatore e vivendo todas as suas histórias, revivendo suas emoções. 

Pepino estivera lá bem criança quando Pepe jogara as cinzas de Salvatore no mar, mas não lembrava de nada e tudo era novidade pro rapaz. 

Chegaram na casa. Uma casa modesta, mas confortável e Pepino perguntou se o tio ainda era comunista. Oscar sorriu e respondeu que o comunismo não se deixava de ser, estava na alma.

Oscar tinha um açougue com frigorífico nos fundos do estabelecimento na região e Pepino começou a trabalhar com o tio. Tudo planejado por Pepe que queria que o filho trabalhasse, pegasse pesado no batente para dar valor ao dinheiro.

Acordavam bem cedo junto com o Sol e partiam para o açougue. Lá realmente Pepino pegava duro. Carregava peças inteiras de carne no frigoríficos com temperatura abaixo de zero. Fatiava, vendia, fazia de tudo no açougue e no final do dia ia pra casa com Oscar. Sua tia já lhes esperava com macarronada, vinho e Oscar contava histórias.

Ia dormir esgotado, mas sabendo que tentava pela primeira vez na vida fazer a coisa certa. Pensava voltar outro homem para o Brasil.

Nas horas de folga gostava de sentar perto do mar mediterrâneo e olhar suas águas. Pepino nunca entrava na água, não sabia nadar, mas gostava do mar que lhe acalmava e trazia paz ao coração.

Pensava em Bianca, gostava da moça de verdade e queria se tornar alguém por ela.

Um dia trabalhava sozinho quando uma moça entrou falando em italiano que queria um quilo de picanha. Pepino pediu que ela falasse devagar, pois, ainda aprendia a língua. Oscar saiu de dentro do frigorífico rindo e disse em português “Oi Marta”.

A moça sorrindo respondeu o cumprimento em português e espantado Pepino perguntou se ela sabia a língua. Oscar respondeu por ela contando que era brasileira e Marta riu.

Marta estendeu a mão para cumprimentar Pepino e pediu desculpas pela brincadeira. Disse saber que ele era sobrinho de Oscar e passava um tempo na Itália. Pepino levou na esportiva e cumprimentou a moça dizendo que a brincadeira era boa e ele tinha caído direitinho.

Vendo o que poderia surgir ali Oscar perguntou se Marta não queria jantar com eles naquela noite. A moça olhou para Pepino e respondeu que seria um prazer. Oscar então marcou as oito.

Jantaram felizes. Marta e Pepino toda hora se entreolhavam como se um sentimento despertasse. Esperto logo após Oscar pediu que Pepino levasse a moça em casa, pois, já era tarde e ficava perigosa sua volta.

Caminharam naquela noite fria do inverno italiano de 1955 até a casa da moça. Ao chegar na frente do local Marta comentou que o rapaz parecia James Dean. Pepino sorriu e perguntou se ela queria ir ao cinema com ele ver “juventude transviada”.

Marta sorriu e respondeu que adoraria. Pepino contou que depois do trabalho passaria em sua casa e lhe buscaria. Deu um beijo em seu rosto e pediu que ela entrasse.

Marta entrou encantada e Pepino caminhou de volta feliz. Sentia-se
revigorado com Marta, aquela doçura inocente. Ainda amava Bianca, mas via que Marta poderia balançar seu coração.

No dia seguinte trabalhou com afinco e perguntou ao tio se ele poderia adiantar algum dinheiro para ir ao cinema com Marta. Oscar sorriu de satisfação com a notícia e entregou o dinheiro mandando que o rapaz fosse um gentleman com a moça.

E Pepino foi. Na hora marcada estava na porta de Marta esperando a moça com um buquê de flores. O pai dela fez uma série de recomendações e Pepino prometeu que chegaria com Marta em casa na hora exigida. Saíram e foram para o cinema.

Assistiram “Juventude transviada” com James Dean e no meio do filme Marta chorava vendo o astro na telona. Pepino se encheu de coragem, colocou a pipoca de lado e pegou na mão da moça.

Marta chegou a tirar a mão, mas depois voltou com a mesma e tocou a mão de Pepino que a segurou firme.

Depois do filme caminharam e sentaram em uma praça. Marta lamentou que o rapaz morrera tão jovem e Pepino citou sua célebre frase “Viva intensamente, morra jovem e seja um lindo cadáver”.

Marta perguntou o que Pepino pensava da morte e o rapaz respondeu que não pensava na mesma, tinha coisas mais importantes para pensar como no amor e na vida. Marta comentou que que pensava sempre na morte e achava que não viveria muito.                                                                                           
Pepino mandou que a moça parasse de besteiras, olhou a hora e
disse que estava na hora de partirem.

Caminhavam conversando animadamente quando foram cercados por dois homens anunciando assalto. Marta se desesperou mandando que Pepino entregasse tudo e o rapaz de forma ágil arrancou o canivete de um deles dando um soco em seu rosto. O outro partiu para cima dele e Pepino também lhe deu um soco. O rapaz sempre fora muito bom de briga e com os músculos mais fortalecidos devido o açougue ficou ainda melhor.

Brigou sozinho com os dois e levou vantagem. No fim os dois homens correram apavorados e Marta deu um abraço em Pepino agradecendo.

Chegaram na casa de Marta na hora marcada e antes que ela entrasse agradeceu a Pepino pela companhia e por defendê-la. Pepino respondeu que faria tudo aquilo quantas vezes ela quisesse e tentou beijá-la.

Marta desviou o rosto e pediu que ele não insistisse, pois, não estava na hora. Pepino se desapontou, mas mostrou entender a moça contando que esperaria o tempo que precisasse e pedindo para que ela entrasse antes que o pai reclamasse.

Marta constrangida com o ocorrido se despediu e entrou. Pepino exalando frustração foi embora se perguntando o que James Dean faria em seu lugar.

 No dia seguinte trabalhava normalmente no frigorífico do açougue carregando peças quando Oscar pediu que ele fosse até o balcão porque tinha um homem querendo falar com ele.

Pepino foi até o balcão e um homem de bigode, baixo e sorriso largo apertou sua mão se apresentando como Dória.

Desconfiado Pepino respondeu que o prazer era dele e perguntou o que o homem desejava. Dória sorriu e comentou que vira tudo o que ocorreu na noite anterior, a tentativa de assalto que ele recebeu.

Pepino não comentara sobre a tentativa de assalto e Oscar preocupado perguntou o que ocorrera. Pepino desconversou respondendo que não fora nada demais e ele tinha resolvido. Dória completou que o rapaz tinha resolvido muito bem nocauteando os dois ladrões.

Olhou para Pepino e perguntou “Nocauteou muito bem, nunca pensou em lutar boxe?”. Pepino riu e respondeu que nunca fora adepto de esportes e Dória comentou que poderia ganhar muito dinheiro no boxe.

Pepino não se mostrou muito interessado e Dória insistiu. Falou de várias vantagens, que o rapaz devia pelo menos tentar e deixou seu cartão com telefone e endereço da academia.

Depois que o homem partiu Pepino ficou olhando o cartão e perguntou ao tio o que devia fazer. Oscar respondeu que só ele poderia saber.

Naquele mesmo dia Pepino apareceu na academia de boxe e Dória viu o rapaz de longe. Aproximou-se dizendo que ele era bem vindo e Pepino respondeu que era nada certo, ele só queria ver como era.

Dória mandou que o rapaz ficasse a vontade e Pepino observou o treino dos boxeadores. Olhou por bastante tempo, se fascinou com o que viu e no fim despediu-se de Dória. O homem convidou rapaz para voltar no dia seguinte e treinar e ele respondeu que pensaria no que fazer.

No dia seguinte pediu a Oscar para sair mais cedo e voltou à academia. No local chegou em Dória e disse que queria tentar.

Pepino passou a dividir seus dias entre o trabalho com Oscar, os treinos na academia e os passeios com Marta que ainda se recusava a beijar. A moça perguntava se Pepino sabia o que estava fazendo e se o boxe não era perigoso. Pepino respondeu que era a chance de ser alguém, mostrar seu valor independente do pai.

Teve sua primeira luta marcada e treinou com afinco. No dia da luta Oscar, esposa, filho e Marta estavam presentes para dar uma força ao rapaz.

Pepino que nunca fugira de uma boa briga mostrou que era bom mesmo de luta. Subiu ao ringue e não demorou muito para nocautear o adversário. Passou a ser a “menina dos olhos” de Dória.

Dória fez uma festa em homenagem a Pepino. Deu-lhe um dinheiro proveniente de sua bolsa e Pepino empolgado perguntou quando era a próxima. Dória riu da empolgação do rapaz e respondeu que seria no mês seguinte em Roma.   

Pepino se espantou com a resposta e perguntou “Roma?”. Dória respondeu que sim, era hora de vôos mais altos e pegaria um adversário mais a sua altura. Pepino sorriu empolgado com a nova carreira e respondeu que topava.   

Pepino deixou o trabalho no açougue e começou a dedicar-se o dia todo aos treinos. Marta se preocupava, mas não deixava o lado do rapaz sempre lhe incentivando. Pepino mandava cartas à família contando sobre sua vida na Itália e como se tornaria um campeão.

Aos amigos perguntava sobre Bianca e os amigos respondiam que estava bem e solteira. Pepino se dividia entre a Itália e Brasil, Marta e Bianca. Gostava cada vez mais da vida na Itália e já não sabia o que fazer de seu futuro.

Chegou o fim de semana da luta e Oscar não foi devido o trabalho, mas foi ao aeroporto desejar boa sorte a Pepino que viajou acompanhado de Dória e Marta  que mentiu para o pai contando que viajaria com uma amiga para um chalé.

Os três foram para um luxuoso hotel no centro de Roma, mas Marta não quis ficar ali e preferiu ir para um mais modesto e pagar com seu dinheiro. Queria casar virgem e nem mesmo beijo cedia. Aquela situação já incomodava Pepino que descarregava sua adrenalina e vontade no boxe.

O momento da luta chegou. No vestiário Dória desejou boa sorte, contou que o ginásio estava cheio e ele receberia um ótimo dinheiro em caso de vitória.

Pepino subiu no ringue decidido e não se importou do adversário ser maior que ele. A luta começou e partiu pra cima do outro lutador.

Conseguiu derrubar o adversário rapidamente vencendo a luta.

Dória deu uma grande festa em seu quarto no hotel e Pepino bebeu muito. Marta se incomodou com aquela situação e pediu para voltar ao hotel que estava hospedada. Pepino se ofereceu para levá-la e Dória em seu ouvido falou “boa sorte garoto”.

Pepino levou Marta até o quarto e o rapaz bastante bêbado pediu para usar o banheiro. Marta contrariada deixou que o rapaz entrasse. Pepino foi ao banheiro e ao sair do mesmo Marta pediu que ele fosse embora, pois, estava cansada.

Pepino riu e comentou que só iria embora depois de um beijo. Marta irritada respondeu que ele sabia muito bem que só faria essas coisas depois de casada. Pepino puxou a moça e lhe deu um beijo a força. Marta ao se soltar deu um tapa na cara do rapaz.

Pepino rindo passou a mão no rosto e disse que gostava de mulher selvagem. Tentou agarrar Marta que se desvencilhou. A moça desesperada pedia que Pepino parasse, mas ele respondeu que não e que ela seria dele naquela noite. Marta gritava por socorro, mas em vão, era madrugada e todos dormiam. 

Foi para sacada e gritou por socorro. Pepino respondeu que não adiantava, ninguém ouviria e não teria como fugir. Marta ficou sem saída entre a sacada e Pepino e o rapaz lhe agarrou beijando seu pescoço e acariciando seu corpo.

Marta chorando pedia que Pepino parasse e o rapaz não lhe dava ouvidos. De repente ela deu uma joelhada nas partes íntimas de Pepino que parou. 

Em desespero para se livrar de Pepino Marta pulou da sacada. Pulou do décimo segundo andar.

Morte imediata.

Pepino se desesperou e foi até a beira da sacada. De lá viu o corpo de Marta estirado no chão ensanguentado. Como por encanto sua bebedeira passou e percebeu a enorme besteira que fizera.

Vomitou no chão, andou atordoado pelo quarto sem saber o que fazer até que viu a única solução possível. O telefone.

Pegou o telefone e ligou para o pai, para Pepe Granata.

“Pai, me ajuda, estou com um problema sério”.

As confusões não acabavam na vida de Pepino.


CAPÍTULO ANTERIOR:



quarta-feira, 29 de junho de 2016

CINEBLOG: COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ


Cineblog hoje faz um fato inédito. Mostra um filme que ainda está em cartaz.

Assisti esse filme semana passada quando fui visitar uma amiga. Não estava com a mínima vontade de ver achando que era um desses dramalhões sentimentais. Mas o filme me surpreendeu. É divertido, romântico, dramático e é bonito sim. Tornou-se um dos meus filmes de amor preferidos.

Corram ao cinema, não irão se arrepender.

Cineblog orgulhosamente apresenta:


Como eu era antes de você


Me Before You (Como Eu Era Antes de Você (título no Brasil) ) é um filme de drama romântico dirigido por Thea Sharrock, com base do romance homônimo de Jojo Moyes. O filme é estrelado por Emilia Clarke, Sam Claflin, Jenna Coleman, Charles Dance, Matthew Lewis, Ben Lloyd-Hughes e Janet McTeer.[1] lançado no dia 16 de junho de 2016 nos cinemas brasileiros pela Warner Bros.


Sinopse


Louisa Clark deve encontrar um novo emprego depois de ser despedida de um café. Ela encontra trabalho em cuidar de Will Traynor, um banqueiro cínico que foi completamente paralisado por um acidente de moto. Na primeira, ele reage com frieza à ela, mas eles logo se tornam amigos e desenvolvem sentimentos um pelo outro, apesar de Louisa ter um namorado que pratica maratonas chamado Patrick. Louisa descobre que Will deu a seus pais, seis meses antes que eles devem trazê-lo para a Suíça para a eutanásia. Será que não pode lidar com a dor e o sofrimento de sua deficiência.

Louisa secretamente torna sua missão para mudar sua mente e leva-lo em todas as aventuras que ela pode para provar que a vida vale a pena viver.


Elenco


Emilia Clarke - Louisa Clark
Sam Claflin - Will Traynor
Jenna Coleman - Katrina Clark
Matthew Lewis - Patrick
Charles Dance - Steve Traynor
Janet McTeer - Camilla Traynor
Brendan Coyle - Bernard Clark
Steve Peacocke - Nathan
Vanessa Kirby - Alicia
Ben Lloyd-Hughes - Rupert


Cineblog volta semana que vem com o impactante Pixote, a lei do mais fraco.


CINEBLOG ANTERIOR:

AMIZADE COLORIDA

terça-feira, 28 de junho de 2016

PORQUE EU SEI QUE É AMOR


Ontem estava fazendo uma de minhas caminhadas quando começou  a tocar essa bonita música dos Titãs e voltei a refletir sobre o assunto tão costumeiro aqui no blog.

O que buscamos na vida? Poder? Riqueza? Sucesso? Sim, acho que todos buscamos isso, mas mesmo não admitindo o que nos move, o que mais buscamos e sentimos satisfação em sentir é amor.

Não simplesmente o amor de casal, mas amor pela vida que é o mais importante. Amor a profissão, a hobby, a família, amigos, amor pela rotina ou até mesmo sair dela. Tudo com amor tem mais prazer.

Mas o que é amor afinal? Como identificar?

Acho que junto a pergunta sobre a existência de Deus deve ser a mais feita na história da humanidade e menos respondida. Difícil definir amor e o que nos faz sentir. Amor é um sentimento que muitas vezes pode ser confundido também com paixão, carência ou entusiasmo.

Já falei muito aqui sobre aquele amor que faz doer a alma, queimar por dentro, parecer rasgar o peito e que faz sangrar, mas talvez boa parte desses sentimentos não pertençam ao amor e sim a paixão. Paixão é intensa, é como um meteoro, mas tem duração pré estabelecida. Assim como ela chega rasgando tudo também vai embora. Não quer dizer que não fique nada da paixão, mas ela pode se transformar. Até mesmo em amor.

Vejo amor como uma coisa mais serena, mais calma. Não tem a intensidade da paixão, mas pode durar para sempre, o que é uma enorme vantagem. Paixão não faz doer, nos tira a racionalidade. É um tsunami tão grande de sentimentos que quando passa nos perguntamos como pudemos ficar daquela forma, agir de tal modo.

O que faz doer é amor, o amor não correspondido ou aquele que acaba apenas de um lado. Todo começo de amor é bonito, todo fim é doloroso por mais que o amor possa ter acabado porque fica a sensação do fracasso e da falta que a outra pessoa faz. No começo nos sentimos vazios, pela metade. Mas sentir dor de amor pode não ser agradável, mas é importante. Acho que o amadurecimento só vem nas derrotas, fracassos e fracassar no amor, sentir dor por perder ou nunca ter tido o amor da pessoa amada faz parte desse crescimento.

Pode parecer estranho, mas a mágoa, a tristeza são sentimentos tão importantes ao longo da vida quanto saudade, alegria ou esperança. O conjunto de tudo isso faz uma vida.

Como saber que o amor chegou? Gostar de estar com a pessoa? Se sentir ansiosa para estar em contato com ela e ficar feliz quando isso ocorre? Imaginar como pôde viver sem aquela pessoa tanto tempo? Não sei, definitivamente não sei. Evidente que passar essa fase na vida é uma delícia, mas entusiasmo não é amor, amor fica. Muitas vezes fiquei em dúvida por estar apaixonado ou amando alguém quando tive todas essas sensações e só o tempo me trouxe as respostas.

Sempre amei passar essas sensações como muito já sofri por amor. Mas o mais importante pra mim foi como passei por tudo isso e como absorvi em minha vida. Sou escritor e catalizei tudo de bom e ruim que o amor me deu para meu ofício. Dessa forma transformei tudo em imortal em mim. Todas as minhas histórias de amor tem um pouco de mim.

Porque como diz outra música eu "sou feito de amor da cabeça aos pés" e gosto disso apesar de saber que tem gente que se assusta e me acha impulsivo. Sou impulsivo, me joguei muitas vezes de cabeça, em parte dessas me espatifei e farei sempre que achar que vale a pena. Quando achar que não também.  

Porque talvez eu não queira saber o que é o amor, apenas sentir.


É..Amor não se pergunta. Amor se sente.


Acho que sei que é amor.


"Não crie juízo, crie histórias de amor"


sexta-feira, 24 de junho de 2016

TROCANDO EM VERSOS: NOVO AMOR



Dançar
Hoje eu quero só dançar
Me libertar
Hoje vou extravasar
Tenho andado
Um pouco desanimado
Mas vou me recuperar
Uma nova chance vou me dar

Eu quero
Encontrar um novo amor
Pretendo
Ir buscá-lo onde for
Mas não tenho pressa
Minha vida apenas recomeça
Vou pensar mais em mim
E hoje vou cantar assim

Vem..
Pra celebrar um novo amor..
Vem..
Brinde ao futuro com fervor
Se a vida lhe marcou
Lhe magoou, deixou feridas
Se levante sem olhar pra trás
Mostre que você é capaz

Vem..
Pra celebrar um novo amor..
Vem..
Brinde ao futuro com fervor
Se a vida lhe marcou
Lhe magoou, deixou feridas
Se levante sem olhar pra trás
Mostre que você é capaz

De encontrar um novo amor...

SOBE O SOM ANTERIOR:

SEM VOCÊ

quinta-feira, 23 de junho de 2016

SOBE O SOM: ANA CAROLINA & MARISA MONTE


Ana Carolina Souza, popularmente conhecida como Ana Carolina (Juiz de Fora, 9 de setembro de 1974), é uma cantora, compositora, empresária, arranjadora, produtora e instrumentista brasileira.

Conquistou 4 vezes o Prêmio Multishow de Música Brasileira, 3 vezes o Troféu Imprensa e 1 vez o Prêmio TIM de Música. O primeiro disco foi lançado em 1999: nove álbuns e cinco Digital Versatile Disc, vendendo cinco milhões de discos;consagrando-se como uma das cantoras que mais vendeu na década de 2000.

Com os sucessivos álbuns lançados, Ana Carolina conta com inúmeras canções de sucesso. Em 28 de novembro de 2005, a partir do projeto promovido pela casa de espetáculos "Tom Brasil", Ana Carolina e Seu Jorge lançaram, juntos, um álbum, Ana & Jorge: Ao Vivo. Em 2009, a cantora completou 10 anos de carreira, lançando o álbum Nove. No mesmo ano, lançou a coletânea de canção, Ana Carolina + Um, com duas canções inéditas e participação de vários cantores, entre eles, Maria Gadú, Maria Bethânia, Roberta Sá, Totonho Villeroy, entre outros.

Marisa de Azevedo Monte (Rio de Janeiro, 1 de julho de 1967) é uma cantora, compositora, instrumentista e produtora musical brasileira de música pop e samba.

Marisa já vendeu mais de 10 milhões de álbuns e ganhou inúmeros prêmios nacionais e internacionais, incluindo quatro Grammy Latino, sete Video Music Brasil, nove Prêmio Multishow de Música Brasileira, cinco APCA e seis Prêmio TIM de Música. Marisa é considerada pela revista Rolling Stone Brasil como a maior cantora do Brasil. Ela também tem dois álbuns (MM e Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão) na lista dos 100 melhores discos da música brasileira.

Nasceu no Rio de Janeiro, filha do engenheiro Carlos Saboia Monte e de Sylvia Marques de Azevedo Monte. Através do pai, descende da família Saboia, uma das famílias italianas mais antigas radicadas no Brasil. Estudou canto, piano e bateria na infância. Em 1982, participou do musical The Rocky Horror Show, dirigido por Miguel Falabella, com alunos do Colégio Andrews. Iniciou o estudo de canto lírico aos catorze anos.

Então vamos lá!!


Sobe o som Ana Carolina & Marisa Monte!!


É isso aí - Com Seu Jorge (Ana Carolina)


Rosas (Ana Carolina)


Garganta (Ana Carolina)


Confesso (Ana Carolina)


Coração selvagem (Ana Carolina)


Problemas (Ana Carolina)


Encostar na tua (Ana Carolina)


Vai (Ana Carolina)


A canção tocou na hora errada (Ana Carolina)


Entreolhares - Com John Legend (Ana Carolina)


Ainda bem (Marisa Monte)


Velha infância - Com Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown (Marisa Monte)


A sua (Marisa Monte)


Amor, I love you - Com Arnaldo Antunes (Marisa Monte)


Depois (Marisa Monte)


Não vá embora (Marisa Monte)


Ainda lembro - Com Ed Motta (Marisa Monte)


Não é fácil (Marisa Monte)


Infinito particular (Marisa Monte)


Beija eu (Marisa Monte)


Bem. Aì está um pouco da história das duas que são as maiores cantoras do Brasil da atualidade. Semana que vem tem história. Tem os clássicos da Montown.


Enquanto isso vamos reviver algum passado.


E me beija e me faça esquecer...



SOBE O SOM ANTERIOR:

KISS & IRON MAIDEN

quarta-feira, 22 de junho de 2016

CINEBLOG: AMIZADE COLORIDA


Cineblog mostra hoje um comédia romântica deliciosa, divertida e apaixonante.

Cineblog orgulhosamente apresenta:


Amizade Colorida



Friends With Benefits (no Brasil,Amigos Com Benefícios) é um filme de comédia romântica estadunidense de 2011 dirigido por Will Gluck e estrelado por Justin Timberlake e Mila Kunis. O filme apresenta um elenco de apoio que inclui Patricia Clarkson, Jenna Elfman, Bryan Greenberg, Nolan Gould, Richard Jenkins e Woody Harrelson. O enredo gira em torno de Dylan (Timberlake) e Jamie (Kunis), que se reúnem em Nova York e ingenuamente acreditam que acrescentando sexo na sua amizade não vão os levar a complicações. Com o tempo eles começam a desenvolver sentimentos mútuos profundos de um para o outro, apenas para negá-lo cada vez que eles estão juntos.

Elenco principal do filme teve lugar durante um período de três meses de abril a julho de 2010. Gluck refez o roteiro original e enredo pouco depois de lançar Timberlake e Kunis. As filmagens começaram em Nova York em 20 de julho de 2010, e concluído em Los Angeles, em setembro de 2010. O filme foi distribuído pela Screen Gems e foi lançado na América do Norte em 22 de julho de 2011. Friends with Benefits foi geralmente bem recebido pelos críticos de cinema, e tornou-se um sucesso comercial nas bilheterias faturando mais de $149.5 em todo o mundo. Foi nomeado para dois dos People's Choice Awards: uma para Filme de Comédia Favorita, e outra para Mila Kunis como Atriz Favorita em Filme de Comédia.


Sinopse



A história se concentra em dois profissionais que se conhecem, contudo, estão ocupados demais para ter um parceiro. Ambos concordam em manter um relacionamento íntimo, mas sem compromissos. As coisas se complicam quando Dylan (Justin Timberlake) e Jamie (Mila Kunis) se apaixonam e não querem admitir isso.


Elenco



Justin Timberlake é Dylan;
Mila Kunis é Jamie;
Woody Harrelson é Tommy
Jenna Elfman é Annie
Patricia Clarkson é Lorna
Richard Jenkins é Senhor Harper
Nolan Gould é Sammy
Bryan Greenberg é Parker
Emma Stone é Kayla
Andy Samberg é Quincy
Masi Oka é Darin Arturo Morena
Shaun White é ele mesmo
Lili Mirojnick é Laura


Produção



Em abril de 2010, Justin Timberlake foi o primeiro a assinar para o projeto. Ele foi logo seguida por Mila Kunis, ela conseguiu o papel feminino principal junto ao dele. Cerca de dois meses depois, a revista Variety anunciou que um elenco composto por Emma Stone, Patricia Clarkson, Richard Jenkins, Woody Harrelson, Andy Samberg, Jenna Elfman foram definidos para se juntar a eles no filme. Três dias depois de as filmagens principais começarem, Bryan Greenberg completou o elenco. Friends with Benefits terá as aparições de destaque de Jason Segel, Shaun White e Rashida Jones. Locais de produção foram criadas já em 13 de julho, e filmagem principal se iniciou em 20 de julho de 2010 em Midtown Manhattan de Nova York. As filmagens continuaram em Central Park e outros setores da cidade de Nova York de julho a início de agosto, antes da produção se mudar para Los Angeles, Califórnia.

Paramount Pictures desistiu de seu protesto original contra o filme depois de seu diretor, Ivan Reitman, re-intitulou seu filme No Strings Attached. Screen Gems, em seguida, mudou-se para a frente com o título Friends with Benefits. Ao mesmo tempo, a NBC está desenvolvendo um seriado com o mesmo título, mas a empresa de produção de filmes afirmou que, devido à sua programação de produção, que não esperavam uma questão a surgir. Screen Gems escolheu para acelerar a produção por medo de que perderia o título para o projeto concorrente da Paramount. Diretor Will Gluck falou sobre a frustração de comparar os dois filmes, afirmando: "Eu gostaria que houvesse mais espaço entre eles. A única coisa que está me aborrecendo agora é que as pessoas estão dizendo que estamos refazendo No Strings Attached. Não estamos refazendo. os dois filmes foram sendo feitos ao mesmo tempo." Gluck, em uma entrevista com o New Zealand Herald, disse que Friends with Benefits era "muito diferente de No Strings Attached. Sentimentos semelhantes foram expressos por Kunis, opinando: "É apenas dois filmes diferentes. Há apenas [...] tantas histórias que você pode dizer do mundo. Este é apenas um de muitos."

O primeiro trailer, que foi restrito pela Motion Picture Association of America, estreou em 5 de novembro de 2010, enquanto o primeiro trailer foi lançado em 16 de março de 2011. O trailer tinha uma posterior liberação no YouTube e atraiu mais de um milhão de visualizações em 48 horas, tornando-se o segundo vídeo mais visto do dia e o vídeo mais visto na categoria de filme em todo o mundo.. Promoção para Friends with Benefits, posteriormente, cresceu, incluindo vídeos promocionais de Facebook e Twitter. Timberlake e Kunis também desembarcaram na capa da Elle em apoio ao filme.


Recepção da crítica



Friends with Benefits tem recepção favorável por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 70% em base de 165 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: “Friends with Benefits acrescenta nada de novo para o seu bem-vestido romance com fórmula, mas a química entre Justin Timberlake e Mila Kunis é quase o suficiente para levar o filme por si só.”. Tem 66 % de aprovação por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.


Cineblog volta semana que vem com um fato inédito, um filme que ainda está em cartaz. Com o comovente "Como eu era antes de você".


CINEBLOG ANTERIOR:

RAIN MAN   

terça-feira, 21 de junho de 2016

I LOVE THIS GAME


"Os Play Offs separam os eninos dos homens"

Essa frase é de Michael Jordan, considerado o maior jogadores de basquete de todos os tempos quando uma vez se referiu aos Play Offs da NBA. A fase de mata-mata do torneio.

E é verdade não só em relação aos Play Offs como ao basquete em si. Basquete é uma coisa, NBA é outra bem diferente e a única coisa que junta as duas atividades é que tem que arremessar bolas em cestos. A própria NBA separa os meninos dos homens.

Acompanho a NBA desde a virada dos anos 80 para 90 quando a competição passava na Band com narração de Luciano do Valle. Comecei a acompanhar e torcer para o Los Angeles Lakers, mas acompanhar mais efetivamente na final de 90/91 entre o Lakers e Chicago Bulls quando o time de Michael Jordan e Scottie Pippen atropelou o de Magic Johnson por 4x1.

Comecei dando azar ao time e tendo azar também. O grande Lakers se encerrava ali, um pouco depois Magic declarou que era portador do vírus da AIDS e se aposentou. A franquia já não tinha Kareen Abdul Jabbah e então o time passou a ser apenas coadjuvante na NBA. Começava ali a dinastia do Bulls e Jordan se transformava no maior de todos mesmose dando ao luxo de passar dois anos brincando de jogar baiseball. Jordan para mim era como Tyson, eu odiava, queria ver perder, a diferença que Tyson eu vi perder e ali me arrependi de torcer contra já que o boxe acabou. Não vi Michael Jordan perder com os Bulls. Ganhou os seis campeonatos em que eu lhe vi com a camisa 23 vermelha. Um fenômeno.

No auge de Jordan surgiu um tal de Kobe Bryant e finalmente vi esperança pro meu Lakers. Na mesma época a franquia contratou o super pivô Shaquille Oneal junto ao OrlandoMagic. A coisa foi melhorando aos poucos até que com a chegada do vitorioso treinador do Bulls Phil Jackson começou a dinastia Lakers com um tricampeonato.

Kobe foi o grande jogador da NBA na primeira década do século, deu ainda mais dois títulos ao Lakers e me fez um torcedor feliz. Perdeu para o tempo como todos perdem e os problemas físicos o levaram a uma aposentadoria. Mesmo velho, cansado e em um time horroroso do Lakers Kobe se despediu com dignidade. Fez uma última temporada inesquecível e um último jogo com mais de 50 pontos para mostrar o quão gigante é.

Agora vivemos a era Lebron James e Stephen Curry.

Stephen é o principal astro do grande time do Golden States Warriows. O Golden State nessa temporada 2015/2016 simplesmente bateu o recorde de vitórias do grande Bulls de Jordan na temporada regular. Com apenas nove derrotas na primeira fase botou a NBA no bolso dando todos os indícios que conquistaria o bicampeonato com facilidade. O GSW, como a franquia é chamada, foi campeã ano passado depois de quarenta anos sem títulos e se transformou no "time da moda" trazendo vários torcedores para a NBA como fizeram Lakers e Celtics nos anos 80, Bulls nos 90 e Lakers e Spurs nos anos 00.

O problema para Stephen e seus colegas é que tinha um tal de Lebron James pela frente...

Lebron é polêmico, carismático e joga pra cacete. Foi primeira escolha de Draft quando nem pela Faculdade tinha passado. O sucessor de Kobe Bryant, o novo Michael Jordan abandonou o Cleveland Cavaliers e foi para o Miam Heat para ser campeão. De ídolo passou a ser criticado, odiado. Teve sua camisa queimada por torcedores, foi vaiado todas as vezes que jogou em Cleveland pelo Miami, mas cumpriu o objetivo. Foi bicampeão.

Até que voltou para casa e fez a promessa que faria do Cleveland campeão e seu estado campeão depois de 50 anos.

A região não ganhava nenhum títulos nos grandes esportes americanos (Basquete, NLF, NHL Baseball) desde os anos 60, era considerada uma região amaldiçoada, motivo de chacota por todos os Estados Unidos. No primeiro ano não deu, perdeu para o GSW de Curry. No segundo parecia que também não iria conseguir. O GSW abriu 3x1 e ficou a uma vitória do título.

Mas o esporte não é uma ciência exata. Nunca um time tinha virado de 3x1 para 4x3 em final na NBA. Desde os anos 60 um time não ganhou o jogo 7 fora de casa e além de ter que superar a tudo isso tinha que vencer o novo recordista da NBA que não tinha perdido três jogos seguidos na temporada toda.

Lebron James há muito tempo não era mais menino, era homem. Domingo virou super homem. O homem virou lenda.

Difícil avaliar o que Lebron fez nessa final. Mais de 40 pontos em dois jogos seguidos, triple double no jogo 7. Aos olhos do mundo Lebron cumpriu a promessa feita e ao fim de jogou desabou no choro. O gigante se ajoelhou aos prantos mostrando que por mais que a NBA seja um jogo de excelência disputado por super dotados e talentosos os homens também podem virar meninos por algum momento. O homem e o menino se misturaram ao realizar um sonho.

Cleveland Cavaliers e Golden States Warriows fizeram história. Provavelmente o GSW terá um asterisco injusto em sua grande marca. Se fosse pontos corridos em vez de mata mata o GSW teria sido campeão há meses e nada disso teria ocorrido. Graças a Deus não é. Lugar de justiça é no tribunal. Esporte é feito de emoção.

NBA agora só em outubro e já contamos os dias para sua volta..

Que venha a próxima temporada.

I love this game.


sexta-feira, 17 de junho de 2016

DINASTIA: CAPÍTULO XVII - JUVENTUDE TRANSVIADA


O ano é de 1954. Ano conturbado para o Brasil. O silêncio reinava na mansão dos Granata. Dora, Cecília e Mariana quietas, Constância chorando e as crianças Benito, Domenico e Enrico brincavam.

Pepino, um adolescente na flor da idade desceu as escadas animado e assoviando. Cecília perguntou ao filho aonde ele ia com tanta felicidade e o rapaz respondeu a uma festa.

Cecília indagou “Festa? De quem? To sabendo de festa nenhuma?”. Pepino olhando no espelho e ajeitando o cabelo respondeu que era aniversário de uma colega de colégio e já estava atrasado.

Sua avó, Dora se indignou e levantou “Moleque, o presidente desse país acaba de morrer e você vai a uma festa?”.

Era o dia 25 de agosto de 1954. Dia do suicídio de Getúlio Vargas.

Pepino respondeu que o presidente podia estar morto, mas ele bem vivo e Dora pediu que Cecília não deixasse Pepino sair. Naquele instante Pepe Granata, o Barão de Feital desceu as escadas e perguntou o que ocorria.

Dora gritava que era um absurdo Pepino querer ir para uma festa na noite que o Brasil chorava a morte do presidente. Pepe olhou bem o filho e respondeu que não via nada demais.

Dora espantada perguntou a Pepe como ele não via nada demais e Pepe alegou que Getúlio era um bandido, seu exército fora o responsável pelo pai parar numa cadeira de rodas e o extermínio da família de Mariana.

Dora ficou sem palavras e Pepe se virou para o filho. Disse bem sério que não queria mais o garoto envolvido em confusões. Pepino respondeu “eu não busco confusões, elas que me perseguem”.

Pepe não achou graça e Pepino prometeu não se envolver em problemas. Pediu a chave do carro ao pai que se recusou a entregar alegando o rapaz ser menor de idade.

Pepino deu um beijo no pai, outro na avó e prometeu rezar por Getúlio durante a festa. Saiu da casa enquanto a avó lhe chamava de atrevido.

Do lado de fora entrou em um dos carros do pai e fez ligação direta. Zaqueu entrava na mansão e viu o que o rapaz fazia. Foi até o menino e provocou “Já vai fazer besteira né?”. Pepino que estava abaixado fazendo a ligação se levantou e respondeu “nada, estou indo rezar pelo Getúlio”.

O carro pegou e sorrindo Pepino contou para Zaqueu “Viu? Lá do céu nosso presidente já faz milagres”. Deu tchau e partiu.

Pepino era debochado, provocador, brigão e extremamente sedutor. Era uma espécie de James Dean tendo um grande fã clube. O mais velho dos quatro filhos de Pepe Granata, o herdeiro natural de seu império.

Uma grande festa ocorria no clube do Fluminense, nas Laranjeiras. Era a festa de quinze anos de Bianca Fontenelle, filha de Abrão Fontenelle, um dos grandes magnatas da cidade.

A festa já estava cheia. Pessoas da alta sociedade dançando embaladas por uma orquestra enquanto Pepino e os amigos Josué e Felipe andavam na toda num carro bebendo e rindo em direção ao evento.

Josué lembrava da última festa que foram e acabaram com a mesma parando todos na delegacia. Pepino riu e respondeu que não podia mais vacilar, pois o pai estava de olho. Felipe também rindo alegou que o Barão tinha coisas mais sérias pra se preocupar que com ele.

Pepino gargalhou e contou que aquele império um dia seria todo dele e gastaria a grana toda com farra. Os três jogaram suas garrafas pelas janelas espatifando na calçada e em disparada foram para a festa.

Estacionaram em frente ao clube, pentearam seus cabelos pela última vez e entraram.

Quando aqueles três rapazes de calças jeans, camisas brancas e jaquetas de couro entraram na festa o burburinho foi um só “lá vem confusão”. Pepino entrou no salão e de cara pegou uma taça de champanhe de um garçom.

Abrão olhou a chegada do grupo e se irritou. Rubens, namoradinho de Bianca olhou e também não gostou. Abrão puxou Rubens e perguntou “Viu quem chegou?”. O rapaz respondeu que sim e o homem completou “Não gosto desse moleque, nem dele nem do bandido de seu pai”.

Rubens perguntou se Abrão queria que ele fizesse algo e Abrão respondeu “tire esse filho de carcamano daqui”. Os três rapazes já dançavam animadamente quando Rubens chegou perto de Pepino.

Rubens puxou Pepino que respondeu não querer conversar com homens, apenas com “bonecas” e Rubens mandou que ele parasse de gracinha que tinha algo a dizer.

Pepino perguntou o que era e Rubens respondeu “O dono da festa quer você fora daqui”. Pepino riu e respondeu que a festa era de Bianca e ela não pedira nada. Acenou para a moça que envergonhada fingiu não ver.

Rubens irritado alegou que era o namorado e falava por ela. Pepino deu um tapinha no ombro do rapaz e virou-se mandando que ele se divertisse. Rubens gritou que ele tinha cinco minutos para ir embora e Pepino não deu ouvidos.

A festa continuou com tensão no ar. Pepino se aproximou de Bianca e cumprimentou a moça. Bianca trêmula disse que não era para ele ter ido e não lembrava de ter lhe convidado. Pepino sorriu. Um sorriso sedutor e afirmou que mexia com a moça.

Bianca desconversou e começou a andar contando ser loucura dele. Pepino lhe puxou o braço e disse “mexo sim, você nem consegue me olhar nos olhos”. Bianca sem olhar nos olhos de Pepino pediu que o rapaz fosse embora e o rapaz respondeu que iria, mas ainda seria seu namorado.

Bianca saiu andando e Pepino atrás. Rubens apareceu por trás falando “italianinho, já mandei que fosse embora”. Pepino ignorou e Rubens continuou “Pensa que tenho medo de você só porque seu
pai é um bandido?”.

Pronto, se tinha algo que tirava Pepino do sério era chamar seu pai de bandido. Pepino virou-se de uma vez só dando um murro em Rubens que voou longe. A confusão tomou conta do salão. Rubens levantou-se partindo pra cima de Pepino e a confusão foi generalizada.

Josué e Felipe entraram na briga, outros convidados também e até os garçons entraram na briga. Abrão pediu e a orquestra continuou tocando mesmo com todos brigando. Pepino sacou seu canivete e rasgou o rosto de Rubens dizendo “leve consigo pra toda a vida a marca do italiano”.

A polícia chegou e levou todo mundo pra delegacia.

Chegando na delegacia o delegado falou “De novo Pepino?”. O jovem apenas sorriu e o delegado completou perguntando “E o Barão? Como está?”.Sorrindo Pepino respondeu que estava bem e o delegado mandou que colocassem o rapaz no xadrez que provavelmente Zaqueu ou Manuel logo pagariam a fiança.

Pepino, Josué e Felipe foram para uma cela junto com outros brigões enquanto Rubens parou em um hospital. O tempo foi passando e nada de Zaqueu ou Manuel chegar na delegacia para soltar o rapaz que se preocupava.

Felipe perguntava ao amigo o que acontecera e se o pai desistira dele. Pepino mandou que parasse de falar idiotices, pois, o pai nunca desistiria. Os outros presos começaram a debochar de Pepino e uma grande pancadaria se iniciou na cela com os guardas apartando.

Pela primeira vez Pepino dormiu na cadeia e só na manhã seguinte alguém apareceu para soltá-lo. Foi Manuel que pagou a fiança e soltou os rapazes.

Pepino reclamou da demora para soltarem e o homem respondeu que tiveram contratempos. Pepino perguntou quais e Manuel respondeu que Pepe sofrera um atentado.

Pepino exclamou “Outro? Já está ficando chato!!”. Felipe se assustou e perguntou se o Barão morrera. Pepino riu e respondeu que era evidente que não, o pai tinha “corpo fechado” e já era o terceiro atentado só naquele ano.

Despediram-se do delegado que disse “Dê lembranças ao Barão” e na rua Manuel confirmou que Pepe sobrevivera. Felipe e Josué estarrecidos só ouviam a conversa dos dois e a pergunta de Pepe a Manuel sobre qual fora o atentado da vez.

Manuel calmamente enquanto entravam no carro contou que o carro de Pepe fora metralhado, mas ele não tomara nenhum tiro, só o chofer tinha morrido. Pepino lamentou a morte dizendo que estava difícil encontrar quem quisesse dirigir para o pai.

Antes de Manuel ligar o carro pra partirem Josué comentou que se a família recebia tantos atentados como eles podiam garantir que não tinha uma bomba naquele carro. Pepino comentou que era verdade e se tivesse morria porque ao contrário do pai não tinha corpo fechado.

Manuel contou que só tinham uma maneira de saber e ligou o carro. O veículo funcionou normalmente e ele rindo comentou “é, não tinha”.

Manuel e Pepino retornaram a mansão e no escritório da casa encontraram Pepe irritado ao telefone e Zaqueu sentado a sua frente. Gritava no aparelho “Manda botar preço que eu compro!!”.

Pepino perguntou a Zaqueu qual era o problema e este respondeu que o pai perdera na votação para entrar no Carioca Country Club. “Só recebeu bolas pretas” completou Zaqueu.

Pepe desligou o telefone irritado e Zaqueu perguntou o que fora resolvido. O Barão respondeu que não tinha jeito mesmo de entrar no clube.

Sentou-se, acendeu um charuto e Manuel perguntou se ficaria por aquilo mesmo. Pepe deu uma baforada e respondeu que acabara de comprar o terreno em frente para fazer o Granata Country club. Faria seu próprio clube ali na frente dos grãs finos.

Pepino riu e Pepe levantou-se para dizer que não aceitaria almofadinhas em seu clube, ali só seriam aceitos suburbanos e favelados, gente do povo. Manuel riu e comentou que ele não existia.

Pepe chegou perto de Manuel, colocou a mão em seu ombro e mandou que comprasse a melhor sunga que encontrasse. Manuel respondeu que não tinha mais idade para nadar em piscina e Pepe comentou que era uma ordem, queria ver o amigo no clube.

Pepino riu, Pepe notou sua presença e pediu para os amigos saírem.

Pai e filho a sós. Pepe calmamente encheu um copo de uísque, bebeu um gole, colocou sobre a mesa e extremamente irritado gritou perguntando o que o filho fizera daquela vez.

Pepino respondeu que não tinha culpa e irritado Pepe gritou “não tem culpa, não tem culpa..Você nunca tem culpa, impressionante isso!!”. Pepino pediu desculpas e Pepe bebeu mais um gole de uísque antes de voltar a falar “você começa a trabalhar amanhã” disse o Barão.

Pepino olhando para baixo respondeu que seria bom começar a entender o negócio do pai e Pepe disse que não, ele começaria como apontador.

Pepino se assustou e pediu “tudo menos isso”. Pepe respondeu que o filho tinha que ver que o dinheiro não vinha fácil, era árduo pra se ganhar e ele mesmo, seu pai Salvatore e o avô Benito muito tiveram que fazer pra conquistar. Vociferou.

“Você terá que fazer por merecer”.

No dia seguinte Pepino estava lá na banca do centro de Feital trabalhando como apontador, fazendo o jogo das pessoas orientado por Zaqueu. Foi assim durante vários dias para poder pegar a prática.

Uma tarde foi com os amigos em uma lanchonete. Colocou uma música na junkie Box e sentou com Josué e Felipe reclamando que o pai estava no pé.

Felipe mandou o amigo se acalmar que o pai apenas queria que ele tomasse jeito. Pepino avistou Bianca sozinha sentada em uma mesa e respondeu que tomaria, mas um milk shake e pediu que o amigo pedisse enquanto ele falasse com a moça.

Josué pediu que não fosse, era confusão na certa, mas Pepino foi.

O rapaz pegou uma flor sobre uma mesa e entregou a Bianca pedindo desculpas pelo ocorrido em seu aniversário. A moça reclamou que ele acabou com sua festa e olhando em seus olhos Pepino pediu perdão.

Bianca olhou fundo para Pepino por alguns segundos e desviou o olhar pedindo que ele parasse. Pepino sorriu e comentou que a menina realmente gostava dele e ela pediu que ele não fizesse perguntas difíceis.

Rubens chegou e logo empurrando Pepino mandando deixar sua namorada em paz. Pepino rindo argumentou que ela que teria que decidir e Bianca pedia para os dois pararem.

Josué e Felipe se juntaram para impedir a briga e Pepino ironizou que a marca de seu canivete ficara bonita no rosto de Rubens. Rubens devolveu perguntando como era ser uma pessoa que ficava o dia todo anotando jogos do bicho.

Pepino se irritou e deu um soco em Rubens que tentou devolver, mas as pessoas separaram os brigões. O dono da lanchonete pegou uma arma e gritou que não permitiria brigas em seu estabelecimento.

Rubens propôs então um pega na descida da floresta da Tijuca e quem vencesse ficaria com o carro do outro. Pepino então propôs que quem vencesse ficasse com Bianca. A moça gritou que não era mercadoria, mas Rubens concordou.

Duelariam aquela noite na floresta.

Pepino despediu-se da família cedo e foi deitar. Pepe estranhou e comentou com Cecília que respondeu que o filho tomara juízo. Pepe não acreditou muito, mas achava melhor assim.

Do quarto Pepino pegou os lençóis e fez uma corda para descer pela janela. Desceu e pegou o carro sem ninguém perceber.

Pegou Josué e Felipe pelo caminho e foram para a floresta.

Chegando ao local todos já esperavam. Rubens encostado em seu carro ironizou que estava quase dormindo e pensou que o rival tivesse desistido.

Pepino passou andando por Rubens e contou que não, pelo contrário, faria questão que o rival lhe visse beijando Bianca. A moça gritava para os dois pararem com aquela palhaçada enquanto Felipe mandava começar o duelo.

Os dois entraram em seus carros e se posicionaram, quem chegasse embaixo primeiro era campeão. Com os dois a postos Felipe autorizou a partida.

Os dois aceleraram e a disputa estava difícil, com os dois emparelhados. Um passava o outro e próximos da chegada um caminhão apareceu na direção contrária.

Pepino e Rubens estavam emparelhados, Rubens na pista do caminhão que buzinava. Pepino gritou para o rival frear e Rubens fez o mesmo.

Nenhum dos dois freou e Rubens bateu em cheio no caminhão.

Pepino parou o carro e desceu para tentar acudir Rubens. Mas antes que chegasse perto o carro do jovem explodiu.

Pepino foi jogado ao chão e aterrorizado via o carro ser lambido pelas chamas.

Rubens estava morto.


CAPÍTULO ANTERIOR:

BARÃO DE FEITAL

quinta-feira, 16 de junho de 2016

SOBE O SOM: KISS & IRON MAIDEN


Iron Maiden é uma banda britânica de heavy metal, formada em 1975[1] pelo baixista Steve Harris, ex-integrante das bandas Gypsy's Kiss e Smiler.

O nome "Iron Maiden", homônimo de um instrumento de tortura medieval que aparece no filme O Homem da Máscara de Ferro como uma horrenda máscara de ferro, foi baseado na obra do romancista francês Alexandre Dumas. Pioneiros do movimento musical que ficou conhecido como NWOBHM (Nova Onda do Heavy Metal Britânico), a banda atingiu êxito substancial no início dos anos 1980, acompanhada de uma crescente base de fãs. Mas foi com o disco The Number of the Beast, de 1982, que o Iron Maiden chegou à fama internacional, produzindo uma sequência de álbuns multi-platina que tornaram-se clássicos do género.

O seu trabalho influenciou diversas bandas de rock e metal, das mais antigas às modernas, e são considerados um dos grupos mais importantes e influentes do estilo. Com quatro décadas de existência, dezesseis álbuns de estúdio, seis álbuns ao vivo, quatorze vídeos e diversos compactos, a banda veio a ser uma das mais bem sucedidas de toda a história do heavy metal.

Kiss é uma banda de hard rock dos Estados Unidos, formada em Nova Iorque em 1973 por Paul Stanley e Gene Simmons.

Conhecida mundialmente por suas maquiagens, e por seus concertos que incluem guitarras esfumaçantes, cuspir fogo e sangue, pirotecnias e outros efeitos. Antes de chegarem à sua formação atual, a banda passou por algumas mudanças, sendo Stanley e Simmons os dois últimos integrantes da formação original da banda. O Kiss já recebeu 28 discos de ouro. A banda já vendeu mais de 40 milhões de álbuns somente nos Estados Unidos, e desde sua formação já vendeu mais de 100 milhões de álbuns.

Constitui um dos maiores impactos culturais da década de 1970, valendo-se de roupas e, sobretudo, maquiagens nunca antes vistas, que marcariam a história da música. Seus dois fundadores são Paul Stanley (guitarra base e vocal) e Gene Simmons (baixo e vocal), que ficaram frustrados com o fim de uma banda que formavam, chamada Wicked Lester, decidindo, assim, procurar novos integrantes para uma nova banda.

Então vamos lá!!


Sobe o som Kiss & Iron Maiden


Fear on the dark (Iron Maiden)


Wasting love (Iron Maiden)


The number of the beast (Iron Maiden)


The trooper (Iron Maiden)


Wasted years (Iron Maiden)


Run to the hills (Iron Maiden)


Halloweed be thy name (Iron Maiden)


Dance of death (Iron Maiden)


Forever (Kiss)


I was made for loving you (Kiss)


Detroit rock city (Kiss)


I love it loud (Kiss)


Every time I look at you (Kiss)


We are one (Kiss)


Heaven`s on fire (Kiss)


Bem. Aí está um pouco dessas duas que estão entre as maiores bandas da história do metal. Semana que tem romantismo. Tem Ana Carolina.


Enquanto isso um pouco mai de rock and roll. Talvez a noite toda.


SOBE O SOM ANTERIOR:

RAÇA NEGRA & SÓ PRA CONTARIAR