quinta-feira, 4 de maio de 2017

SOBE O SOM: JERRY ADRIANI & BELCHIOR


Jerry Adriani, nome artístico de Jair Alves de Sousa (São Paulo, 29 de janeiro de 1947 – Rio de Janeiro, 23 de abril de 2017), foi um cantor e ator brasileiro. Iniciou sua carreira na TV Tupi de São Paulo, como vocalista do conjunto Os Rebeldes.

Começou a sua vida profissional em 1964 com a gravação do seu primeiro LP, Italianíssimo, e no mesmo ano gravou seu segundo LP, Credi a Me. Seu nome foi inspirado em dois artistas estrangeiros: o ator americano Jerry Lewis e o cantor italiano Adriano Celentano. Em 1965 lançou Um Grande Amor, seu primeiro disco gravado em português. Tornou-se apresentador do programa Excelsior a Go Go, na antiga TV Excelsior de São Paulo, ao lado do comunicador Luís Aguiar; apresentava músicas dos Vips, Os Incríveis, Trini Lopez, Cidinha Campos, entre outros.

Entre 1967 e 1968, já na TV Tupi de São Paulo, passou a apresentar A Grande Parada, ao lado de artistas, como Neyde Aparecida, Zélia Hoffmann, Betty Faria e Marília Pera. Era um musical ao vivo que apresentava grandes nomes da música popular brasileira. No cinema participou de três filmes como ator/cantor: Essa Gatinha é Minha (com Peri Ribeiro e Anik Malvil), Jerry, A Grande Parada, Jerry em busca do tesouro (com Neyde Aparecida e os Pequenos Cantores da Guanabara).

Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, conhecido simplesmente como Belchior (Sobral, 26 de outubro de 1946 – Santa Cruz do Sul, 30 de abril de 2017), filho de Dolores Gomes Fontenelle Fernandes e Otávio Belchior Fernandes, foi um cantor e compositor brasileiro.

Um dos membros do chamado Pessoal do Ceará, que inclui Fagner, Ednardo, Rodger, e outros, Belchior foi um dos primeiros cantores de MPB do nordeste brasileiro a fazer sucesso nacional, em meados da década de 1970. Seu álbum Alucinação, de 1976, é considerado por vários críticos musicais como o mais revolucionário da história da MPB e um dos mais importantes de todos os tempos para a música brasileira.

Durante sua infância, no Ceará, foi cantador de feira e poeta repentista. Estudou música coral e piano com Acácio Halley. Seu pai tocava flauta e saxofone e sua mãe cantava em coro de igreja. Tinha tios poetas e boêmios. Ainda criança, recebeu influência dos cantores do rádio Ângela Maria, Cauby Peixoto e Nora Ney. Foi programador de rádio em Sobral. Em 1962, mudou-se para Fortaleza, onde estudou Filosofia e Humanidades. Começou a estudar Medicina, mas abandonou o curso no quarto ano, em 1971, para dedicar-se à carreira artística. Ligou-se a um grupo de jovens compositores e músicos, como Fagner, Ednardo, Rodger Rogério, Teti, Cirino entre outros, conhecidos como o Pessoal do Ceará.

Então vamos lá!!


Sobe o som Jerry Adriani e Belchior!!


És meu amor (Jerry Adriani)


Coração de cristal (Jerry Adriani)


Vai caindo uma lágrima (Jerry Adriani)


Tenho um amor melhor que o seu (Jerry Adriani)


Querida (Jerry Adriani)


Indiferença (Jerry Adriani)


Rosas rubras (Jerry Adriani)


Olhos feiticeiros (Jerry Adriani)


Medo de avião (Belchior)


Apenas um rapaz latino americano (Belchior)


Paralelas (Belchior)


Velha roupa colorida (Belchior)


Coração selvagem (Belchior)


Alucinação (Belchior)


Divina comédia humana (Belchior)


Tudo outra vez (Belchior)


Bem, aí está um pouco desses dois grandes artistas que deixaram saudades nas últimas semanas. Cumpriram suas missões na Terra, alegraram o seu povo e serão eternamente lembrados pela emoção que nos proporcionaram. Obrigado Jerry, obrigado Belchior. Semana que vem voltamos a programação normal e viremos com Tieta conforme prometido.


Enquanto isso um recado para meu doce amor.


Dizer para ela que viver é melhor do que sonhar.


SOBE O SOM ANTERIOR:

MOLEJO

Nenhum comentário:

Postar um comentário