quarta-feira, 24 de maio de 2017

TROCANDO EM ARTES: ROQUE SANTEIRO


Trocando em artes em seu formato novela volta hoje com uma das grandes novelas já feitas. Censurada e 1975, voltou dez anos depois e parou o Brasil.

Trocando em artes orgulhosamente apresenta:


Roque Santeiro



Roque Santeiro é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 20 horas, entre 24 de junho de 1985 e 22 de fevereiro de 1986, em 209 capítulos, substituindo Corpo a Corpo e sendo substituída por Selva de Pedra. Foi a 34ª "novela das oito" exibida pela emissora. Escrita por Dias Gomes e Aguinaldo Silva (Dias Gomes escreveu a trama até o capítulo 51 e posteriormente, do 163 ao 209; por sua vez, Aguinaldo Silva escreveu a trama do capítulo 51 ao 163) -, com base no original do próprio Dias Gomes, a peça de teatro O Berço do Herói, e escrita com a colaboração de Marcílio Moraes e Joaquim Assis. Foi dirigida por Gonzaga Blota, Paulo Ubiratan, Marcos Paulo e Jayme Monjardim, com a direção geral de Paulo Ubiratan e gerência de produção de Carlos Henrique de Cerqueira Leite.

Contou com José Wilker como protagonista título. Ainda contou com Regina Duarte, Yoná Magalhães, Ary Fontoura, Eloísa Mafalda, Ilva Niño, Armando Bógus, Lucinha Lins, Marcelo Rezende, Cássia Kis Magro, Cláudio Cavalcanti, Lídia Brondi, Carlos Augusto Strazzer e Lima Duarte nos papéis principais.

Em 2008 ganhou uma adaptação feita em formato de romance por Mauro Alencar para a coleção Grandes Novelas da Editora Globo. Em 2012, foi eleita pelo portal Terra uma das cinquenta melhores novelas de todos os tempos.

Em 2016, a revista Veja elegeu Roque Santeiro como a terceira "Melhor Telenovela Brasileira" de todos os tempos, ficando atrás apenas de Avenida Brasil (2012) e Vale Tudo (1988).


Antecedentes e produção



Dias Gomes e Aguinaldo Silva escreveram Roque Santeiro baseando-se em uma peça de teatro, de autoria de Dias Gomes, O Berço do Herói, que já havia sido censurada e proibida em 1963. A telenovela seria exibida a partir do dia 27 de agosto de 1975, pela Rede Globo, substituindo Escalada, novela de Lauro César Muniz, e já havia 30 capítulos gravados e chamadas anunciavam sua estreia. Porém, no dia de sua estreia, a emissora recebeu um ofício do Departamento de Ordem Política e Social, ou DOPS, do governo federal censurando a exibição da novela. O motivo da censura foi uma escuta telefônica do governo, em que foi gravada uma conversa do autor da novela, Dias Gomes, afirmando que Roque Santeiro era apenas uma forma de enganar os militares, adaptando O Berço do Herói para a televisão, com ligeiras modificações que fariam com que os militares não percebessem que se tratava da mesma obra. Em meio à comoção da equipe, a emissora teve apenas três meses para preparar uma outra novela, e para preencher o buraco na programação, foi exibida uma reprise compacta do grande sucesso Selva de Pedra, novela de Janete Clair, posteriormente substituída por Pecado Capital, da mesma autora e um dos maiores sucessos da emissora na época. Para a realização desta novela, parte do elenco e dos cenários de Roque Santeiro foram reaproveitados.

Após 10 anos, já no governo civil de José Sarney, a telenovela foi finalmente liberada e podê ser exibida. Por consideração aos artistas envolvidos no trabalho original, os mesmo foram convidados à participar da nova versão da novela, com seus respectivos personagens. Porém, Francisco Cuoco e Betty Faria recusaram os papéis principais de Roque Santeiro e Viúva Porcina; já Lima Duarte retornou à produção novamente como o inesquecível Sinhozinho Malta. Além dele, alguns atores que participaram da versão censurada da novela, retornaram à produção, interpretando os mesmos personagens João Carlos Barroso, Luiz Armando Queiroz e Ilva Niño.

Milton Gonçalves, que interpretava o padre Honório (nome esse trocado para, Hipólito) na versão censurada, ganhou o papel do promotor público Lourival Prata; Elizângela, também, participou da versão censurada teve seu papel alterado, para viver Marilda, esposa de Roberto Mathias, interpretado por Fábio Júnior; e Lutero Luiz que interpretou o prefeito Flô, nesta versão, interpretou o Dr. Cazuza Amaral.

Sônia Braga, Vera Fischer, Marília Pera e Fernanda Montenegro chegaram a fazer testes para o papel da fogosa Viúva Porcina, que acabou sendo interpretada de forma brilhante por Regina Duarte: o entrosamento entre o casal de personagens Porcina e Sinhozinho Malta foi perfeito e rendeu aos telespectadores cenas de barracos homéricos, segundo Lima Duarte, teria emprestado um tom mais engraçado a seu personagem, diferente de quando contracenava com Betty Faria, na versão censurada da novela. O autor Aguinaldo Silva passou a escrever a novela a partir do capítulo 51, com a incumbência de dar continuidade à trama. Para isso, contou com a colaboração de três profissionais: os escritores Marcílio Moraes e Joaquim Assis, e a pesquisadora Lilian Garcia. Segundo Aguinaldo, quase no final da trama, por volta do capítulo 163, Dias Gomes declarou que gostaria de finalizar a novela, e assim, escreveu os capítulos finais.

Mas nem tudo foi em perfeito em "Roque Santeiro". O final gravado oficialmente para a telenovela, foi ao estilo do grande clássico Casablanca, filme de Michael Curtiz, no qual Porcina fica em dúvida se embarca com Roque no avião ou continua com Sinhozinho Malta. Mas diferente da personagem de Ingrid Bergman no filme, Porcina opta por permanecer ao lado do coronel, e os dois terminam juntos acenando para Roque, que enfim vai embora. De acordo com o documentário "A Negação do Brasil", de Joel Zito Araújo, teria sido gravado um terceiro final, no qual Porcina terminava ao lado do capataz Rodésio (Tony Tornado), algo que de acordo com as declarações dos envolvidos não teria sido divulgado à imprensa pela Rede Globo.


Exibição e abertura


Foi reexibida pela Sessão Aventura de 1 de julho de 1991 a 3 de janeiro de 1992, às 17h, em 135 capítulos. Foi reexibida pelo Vale a Pena Ver de Novo de 11 de dezembro de 2000 a 29 de junho de 2001, substituindo A Próxima Vítima e sendo substituída pelo programa Você Decide, em 145 capítulos.

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva de 18 de julho de 2011 a 4 de maio de 2012, substituindo Vale Tudo e sendo substituída por Que Rei Sou Eu?, à 00h15.

Ao som de "Santa Fé", de Moraes Moreira, vários trabalhadores andam por uma folha natural. O logotipo da novela aparece em um efeito tridimensional. A letra "Q" da palavra "Roque" representa uma auréola e brilha. Um avião passa por cima de um crocodilo. Um trator e duas mulheres passeiam por uma palha de espiga de milho. Um trem sai de dentro de uma fruta. Um motoqueiro passeia por um coco. Um homem puxa uma carro de boi por cima de uma banana. Um navio navega por uma borboleta azul. Acontece um congestionamento sobre uma vitória-régia.


Enredo



A história é ambientada na fictícia cidade Asa Branca, que funciona como microcosmo do Brasil. Há dezessete anos, o coroinha Luís Roque Duarte, conhecido como Roque Santeiro, por esculpir imagens sacras, morreu ao defender os habitantes de Asa Branca dos capangas do perigoso Navalhada, um bandido que havia invadido à cidade. Santificado pelo povo de Asa Branca, que atribui milagres à sua imagem, e outras pessoas buscavam até mesmo a sua canonização, Roque Santeiro tornou-se uma lenda e faz a cidade prosperar com sua história de heroísmo. Mas também despertando o interesse de muitos que se aproveitam da lenda para lucrarem. Só que para o desespero dos poderosos de Asa Branca, Roque Santeiro não está morto, e o pior, está voltando para cidade, depois de dezessete anos, ameaçando pôr um fim ao mito.

Os representantes das forças políticas, religiosas e econômicas de Asa Branca se dividem entre os que defendem que a verdade deve ser revelada, e os que querem manter a farsa do mito, porque precisam dele para lucrar. Os que se sentem ameaçados pelo retorno de Roque Santeiro, são o conservador padre Hipólito, o prefeito Florindo Abelha, o comerciante Zé das Medalhas - principal explorador da sua imagem -, e o todo poderoso fazendeiro Sinhozinho Malta, que mantém uma relação com a fogosa e extravagante Porcina, a suposta viúva de Roque Santeiro, e vê seu relacionamento ameaçado com a presença dele em Asa Branca.

Mas, o retorno de Roque à Asa Branca atinge a vida de outra moradora: Mocinha, apaixonada por ele, e que fora sua verdadeira noiva, antes da invasão de Navalhada à cidade. Mocinha nunca se conformou com o desaparecimento dele e se manteve virgem à espera dele, mesmo pensando que ele estivesse morto. Mocinha sente muita raiva e ódio de Porcina, por ela ter sido a suposta esposa de Roque Santeiro. Ela é filha do prefeito Florindo Abelha, e da beata Dona Pombinha.

À frente daqueles que desejam revelar a verdade aos habitantes de Asa Branca está padre Albano, que faz o contraponto com padre Hipólito. E, por meio deste personagem, foi abordado um tema em voga na época, a divisão da Igreja Católica entre os tradicionalistas e os adeptos da Teologia da Libertação. Progressista, Padre Albano, luta à favor dos trabalhadores de Asa branca e faz de tudo para revelar a verdade ao seus habitantes, que o mito de Roque Santeiro não passa de uma farsa.

Asa Branca também fica agitada com a chegada de Matilde, amiga de Sinhozinho Malta, que constrói na cidade, o seu único hotel, a Pousada do Sossego, e traz consigo do Rio de Janeiro, duas sensuais dançarinas, Ninon e Rosaly, para trabalhar na sua boate Sexus, e enfrentando a oposição do padre Hipólito e das beatas da cidade, comandadas por Dona Pombinha Abelha, a esposa do prefeito Florindo.

Também chega à cidade a equipe de filmagem de Gérson do Valle, o cineasta que vai filmar A Saga de Roque Santeiro. O filme tem como astros principais a atriz Linda Bastos, por quem Gérson é apaixonado, e Roberto Mathias, um mulherengo que acaba por se envolver com Porcina, com Tânia, a contestadora filha de Sinhozinho Malta, e com Dona Lulu, a reprimida esposa de Zé das Medalhas.

Outro mistério que desperta a curiosidade na população de Asa Branca, é saber: quem é o lobisomem que aparece nas noites de lua cheia atacando as mulheres da cidade? O principal suspeito é o professor Astromar Junqueira pelos seus hábitos um tanto sombrios: ele é apaixonado por Mocinha.


Elenco



Ator / Atriz Personagem

Regina Duarte         Porcina da Silva (Viúva Porcina)
Lima Duarte         Francisco Teixeira Malta (Sinhozinho Malta)
Yoná Magalhães Matilde Mendes de Oliveira
Fábio Júnior         Roberto Mathias
José Wilker        Luis Roque Duarte (Roque Santeiro)
Eloísa Mafalda        Ambrosina Abelha (Dona Pombinha)
Luiz Armando Queiroz Tito Moreira França
Rui Resende                Professor Astromar Junqueira
Cássia Kis Magro    Lugolina de Aragão (Lulu)
Elisângela                    Marilda
João Carlos Barroso    Toninho Jiló
Arnaud Rodrigues  Cego Jeremias
Nelson Dantas        Beato Salu (Salustiano Duarte)
Wanda Kosmo          Dona Marcelina Magalhães
Maurício do Valle Delegado Feijó
Ísis de Oliveira         Rosaly
Cláudia Raia        Maria do Carmo (Ninon)
Patrícia Pillar          Linda Bastos
Maurício Mattar João Duarte (João Ligeiro)
Cláudia Costa      Carla
Alexandre Frota Luiz Cláudio (Luizão)
Ilva Niño              Filismina (Mina)
Tony Tornado         Rodésio
Luiz Magnelli         Decembrino
Lícia Magna         Ciana
Cristina Galvão          Dondinha
Waldyr Sant'anna Terêncio Apolinário
Sandro Solviat         Sua Majestade
Ana Luiza Folly           Noêmia
Gabriela Bicalho Cristina de Aragão (Tininha)
Bruno César           Raul de Aragão (Raulzinho)

Atrizes convidadas

Lídia Brondi Tânia Magalhães Malta
Lucinha Lins Mocinha Abelha
Nélia Paula Amparito Hernandez
Lilian Lemmertz Margarida Magalhães Malta

Atores convidados

Ewerton de Castro Gérson do Valle
Cláudio Cavalcanti Padre Albano, o "Padre Vermelho"
Othon Bastos Ronaldo César
Oswaldo Loureiro Aparício Limeira (Navalhada)

Participações especiais

Armando Bógus José Ribamar de Aragão (Zé das Medalhas)
Ary Fontoura Prefeito Florindo Abelha (Seu Flô)
Paulo Gracindo como Padre Hipólito

Música e audiência



A trilha sonora da novela foi um grande sucesso, tendo o nacional Volume 1 vendido com mais de 500.000 cópias em três meses. De modo mais esperado, a gravadora Som Livre chegou a cogitar a comunicado da TV Globo a trilha sonora internacional da novela, como era de costume em outras exibidas pela emissora. Mas, por determinação do produtor geral Mariozinho Rocha, a gravadora optou por não lançar a trilha devido ao fato de a obra da trama original que Dias Gomes se baseava ser meramente regional. Por isso, foi criada às pressas mais uma trilha nacional. Desta vez, o volume 2 trazia outros grandes sucessos; sendo assim, Roque Santeiro foi a primeira novela da emissora com duas trilhas totalmente nacionais, se tornando um segmento diferenciado de outras telenovelas.

Várias das canções dos álbuns ficaram entre as mais tocadas de 1985, como: "Dona" (2ª), "Vitoriosa" (6ª), "Sem Pecado e Sem Juízo" (17ª), "De Volta pro Aconchego" (24ª), "Chora Coração" (43ª), "Isso Aqui Tá Bom Demais" (45ª), "Coração Aprendiz" (55ª), "Coisas do Coração" (73ª), "Mistérios da Meia Noite" (79ª), "Verdades e Mentiras" (83ª), "A Outra" (84ª) e "Mal Nenhum" (98ª)

Sua média geral é de 67 pontos de audiência, sendo a telenovela de maior audiência da televisão brasileira. Em seu primeiro capítulo marcou 68 pontos.

Quando foi reprisada, pela primeira vez em 1991, na extinta faixa da Sessão Aventura, a audiência foi satisfatória, muito maior do que às das séries estrangeiras que ocupavam o horário, chegando a marcar 36 pontos. Em sua segunda reprise - agora pelo Vale a Pena Ver de Novo -, no entanto, sua audiência foi de 15 pontos.

Prêmios


Troféu APCA (1985):

Melhor Novela
Melhor Atriz - Regina Duarte
Melhor Ator - Lima Duarte
Revelação Feminina - Cláudia Raia
Melhor Texto de Novela - Dias Gomes e Aguinaldo Silva

Troféu Imprensa (1985):

Melhor Novela
Melhor Atriz - Regina Duarte
Melhor Ator - Lima Duarte
Revelação do Ano - Cláudia Raia (empate com Tetê Espindola)


Em quatro semanas "Trocando em artes" versão novela volta com outro clássico. Pantanal.


TROCANDO EM ARTES ANTERIOR:

ÉDIPO REI

Nenhum comentário:

Postar um comentário